Pular para o conteúdo
Voltar

Técnicos acompanham atendimento pós-cirúrgico na caravana de Sinop

Essa é a primeira avaliação médica de 24 horas após a primeira cirurgia realizada ontem, durante o evento.
Rose Velasco | Assessoria SES/MT

Francisco Alves - GCOM/MT
A | A

Os técnicos da Vigilância Sanitária da Secretaria de Estado de Saúde (SES/MT) acompanharam na manhã desta quinta-feira (24.05), em Sinop, o primeiro dia do atendimento pós-cirúrgico dos pacientes operados pela Caravana da Transformação. Essa é a primeira avaliação médica de 24 horas após a primeira cirurgia realizada ontem.

O atendimento começou às seis horas da manhã no Centro de Eventos da APAE, onde o controle de entrada de pacientes e seus acompanhantes foi feito por meio de leitura do código de barra inserido no crachá de credenciamento.

O trabalho foi coordenado pela superintendente de Gestão e Acompanhamento de Serviços Hospitalares da Secretaria de Estado de Saúde, Selma Aparecida de Carvalho. As técnicas da Vigilância avaliaram os procedimentos médicos, as condições de limpeza e de higiene no local e conversaram com pacientes para saber sobre a qualidade do atendimento.

A paciente Érica Maria Leite Ferreira, 59 anos, foi operada de catarata em um olho e teve a outra cirurgia, também de catarata, agendada para o próximo sábado (26). Ela mora na gleba Jaguaribe, no município de União do Sul, que fica a 160 km de Sinop.

Érica não enxergava nada há seis anos e teve de parar de trabalhar na lavoura, serviço que agora é feito apenas pelo marido, que é pedreiro. A família vive do cultivo de verduras e legumes e de criação de galinhas e porcos. O que produzem é vendido na feira do município. Outra renda vem do Programa Bolsa Família, que auxilia na criação do filho de nove anos. O filho menor e mais outros três filhos, de 42, 31 e 25 anos, são todos adotivos.

Para Érica, o fato de voltar a enxergar representa uma nova vida. “Sempre ajudei meu marido na lavoura e agora que recebi essa benção de ser operada tenho condições de voltar a ajudá-lo, além de poder fazer outras coisas que gosto muito e que deixei de fazer por não enxergar, que é costurar e fazer crochê”.





Editorias