Pular para o conteúdo
Voltar

Atividades de inclusão social são realizadas durante a Caravana

Renata Prata | GCom-MT

Christiano Antonucci/GCom-MT
A | A

Apesar das consultas oftalmológicas e cirurgias de catarata serem o carro chefe, a Caravana da Transformação engloba vários serviços de cidadania e de saúde. Na 13ª edição, que está sendo realizada em Cuiabá até o dia 10 de maio, uma série de atividades de inclusão social foram feitas para acolher pessoas com deficiência.

Uma dessas atividades é o futebol de cegos. Com os olhos tampados, a pessoa tem que dominar a bola e tentar acertar o gol, seguindo as instruções de um orientador. A procura pela novidade foi muito grande. “Nós escolhemos, entre várias atividades paraolímpicas, o futebol, porque é mais fácil e também por estar dentro da Arena. Nós orientamos como é praticado e a pessoa faz a vivência, que é experimentar o mesmo que uma pessoa que não tem visão, dominar a bola e tentar acertar o gol”, explicou Luiz Tampa coordenador de esporte e diversidades da secretaria adjunta de Esporte e Lazer de Mato Grosso.

Kawann Santana da Silva, estudante de 15 anos, foi um dos que aprovaram a experiência. “Gostei bastante de jogar como eles jogam. Eu posso enxergar, mas tem gente que não pode e nós nem temos ideia da dificuldade. Existe muito preconceito com eles, eu sempre que vejo alguém cego na rua procuro ajudar”, disse o jovem.

Um curso de iniciação em Libras, de 40 horas, também foi oferecido durante a Caravana pelo Centro de Apoio e Suporte à Inclusão da Educação Especial (Casies), da Secretaria de Estado de Educação (Seduc-MT). “O curso foi uma iniciativa do governo estadual e foi aberto para toda a sociedade. Pessoas que tenham interesse profissional de trabalhar com esse público, pedagogo, intérprete e pessoas com deficiente auditivo na família”, destacou o professor Jeferson Soares Candia.

CARAVANA É PARA TODOS

Estudantes do Centro Pedagógico do Ensino Especial aproveitaram a ida à Arena para conhecer a carreta do MTCiências, da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secitec-MT). “Eles têm pouco contato com a ciência e adoraram tudo que foi mostrado. Foi uma coisa totalmente nova para eles. Agora, a professora vai trabalhar em cima desta experiência que eles tiveram aqui”, destacou a monitora do Centro, Dalbene Caldas.

BALANÇO

Foram realizadas até o momento, em 21 dias de Caravana, 14.095 consultas, 11.281 cirurgias, 103.777 procedimentos oftalmológicos e 31.706 atendimentos de cidadania. O público total foi de 67.484 pessoas.





Editorias