Pular para o conteúdo
Voltar

Vigilância estadual inspeciona o primeiro dia do atendimento pós-cirúrgico

O atendimento aos cerca de 700 pacientes que foram operados na quinta-feira (19.04), na Arena Pantanal, começou logo cedo, às 6 horas da manhã.
Rose Velasco | SES-MT

Christiano Antonuci/GCom-MT
A | A

O primeiro dia de avaliação do pós-cirúrgico de 24 horas da 13ª Caravana da Transformação em Cuiabá foi acompanhado por técnicos das Vigilâncias Sanitária e Epidemiológica da Secretaria de Estado de Saúde. O atendimento aos cerca de 700 pacientes que foram operados na quinta-feira (19.04), começou logo cedo, às 6 horas da manhã.  

Os técnicos inspecionaram instalações, avaliando as condições sanitárias de iluminação, as saídas de urgência e o acesso ao local, bem como a qualidade do serviço de atendimento por parte dos voluntários e da Defesa Civil do Estado, além do trabalho médico realizado pela empresa 20/20, contratada pela SES/MT para prestar o serviço oftalmológico pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

O trabalho foi acompanhado pelo assessor do Gabinete da Secretaria de Estado de Saúde, Wagner Simplício, e uma das integrantes da comissão de supervisão e de controle a prestação do contrato do serviço, a médica Dilza Antunes da Costa.

“A função da Secretaria de Estado de Saúde é justamente buscar a cada dia melhorar ainda mais o atendimento aos pacientes do SUS. Os técnicos das Vigilâncias, do Estado e do município de Cuiabá, atuam em conjunto para fiscalizar a qualidade da produção dos serviços, o fluxo de cirurgias, o tempo de atendimento ao paciente, o nível de satisfação do paciente, a prescrição de medicamento; corrigir e recomendar as adequações que devem ser realizadas tanto pela empresa prestadora do serviço, como pelas outras áreas do governo”, explicou Simplício.

De acordo com a médica Dilza Antunes da Costa, as contas dos procedimentos cirúrgicos e de atendimento médico e de exames realizados durante a Caravana já estão sendo supervisionadas pela comissão do SUS que atestará cada serviço para autorizar o pagamento pela Secretaria. “Esse pagamento deve ser realizado após o cumprimento de todo o contrato”, esclareceu.

Um dos aspectos analisados nessa supervisão é se a empresa está aplicando os valores da tabela SUS, pactuados pelo governo do Estado. A tabela SUS vem sendo executada em todas as edições da Caravana da Transformação. Isso representa uma economia financeira para o Estado e possibilita o acesso de milhares de pacientes ao serviço oftalmológico, além de criar a série histórica de atendimento pelo SUS estadual para Mato Grosso perante o Ministério da Saúde.

“Com a criação da série histórica, o Ministério da Saúde passa a ter conhecimento da demanda desse tipo de serviço aqui no Estado; com isso, podemos no futuro pleitear recurso financeiro federal para ampliar a prestação desse serviço, sem precisar mais ficar décadas com pacientes na fila de espera, como ocorreu no passado, e sem que o governo do Estado seja o único a custear com recursos próprios esses serviços pelo SUS”, explica a Superintendente de Gestão Ambulatorial e Hospitalar da SES/MT, Selma Aparecida.

Pensando no próximo

“A pessoa tem de pensar no próximo e o governo está pensando na população pobre e que depende exclusivamente do SUS; porque esperar apenas pelo atendimento da Central de Regulação a pessoa perde a vista”, disse a aposentada Miguelina Neves da Silva, que acompanha o marido, Joaquim Rodrigues Filho, 77 anos, que operou de catarata em um olho no dia 19, e nesta sexta-feira, dia 20, já passou pela primeira avaliação médica após a cirurgia.

O casal mora no assentamento Pontal da Glória, no município de Santo Antônio de Leverger. Segundo a aposentada, o lugar não tem posto de saúde e é distante do centro da cidade, portanto, ir ao médico é algo quase impossível. O marido dela aguardava por essa operação há mais de quatro anos.

A aposentada Durvalina de Paula Souza, 86 anos, veio de Poconé para operar de catarata, cirurgia que ela esperou por mais de três anos. Com a vista recuperada, Durvalina diz que agora poderá fazer o que gosta e cuidar melhor da casa sem depender dos outros para tudo. A filha dela, Cleuzenir de Souza, elogiou a qualidade do atendimento que a mãe recebeu.

O morador de Chapada dos Guimarães, Antônio Miguel, 62 anos, saiu contente da Caravana, após operar de catarata. “Graças a Deus e ao governo voltei a enxergar”, comemorou. Antônio relata que ficou sabendo da Caravana da Transformação há dez dias e já foi operado; e que não imaginava ser atendido tão rápido assim.

O atendimento preferencial da Caravana da Transformação é para pessoas com mais de 55 anos. Nesta edição serão atendidos os moradores de Cuiabá, Várzea Grande, Acorizal, Barão de Melgaço, Chapada dos Guimarães, Jangada, Nova Brasilândia, Nossa Senhora do Livramento, Planalto da Serra, Poconé, Santo Antônio do Leverger, Rosário Oeste, Nobres.

 





Editorias